sábado, 14 de fevereiro de 2009

Artefato de susceptibilidade magnética

Artefato de susceptibilidade magnética


Susceptibilidade magnética se refere à propriedade de um material de se tornar magnetizado quando exposto a um campo magnético.
Artefato de susceptibilidade magnética ocorre na interface de estruturas com susceptibilidades magnéticas diferentes.
O tecido destas estruturas é magnetizado em um grau maior ou menor.
A distorção local resultante do campo magnético produz registro espacial errôneo.
Exemplos de interfaces de estruturas com diferentes susceptibilidades magnéticas são: osso/partes moles, ar/partes moles.
Estes artefatos são muito mais proeminentes quando materiais ferromagnéticos estão presentes.

As causas mais comuns de artefatos são as próteses ortopédicas, filtros vasculares, aparelho ortodôntico, clipes, parafusos, suturas e fragmentos metálicos.
A alteração do campo magnético pode causar distorção da imagem, perda de sinal ou áreas focais brilhantes.

suscept 5 suscept 6
suscept 7 suscept 8
Figura A: Scout digital de TC mostrando pequeno fragmento metálico intra-articular.
Figura B: Scout de RM demonstrando grande artefato de susceptibilidade magnética. O scout de RM geralmente é uma sequência GRE rápida. Este tipo de artefato é mais evidente em sequencias GRE.
Figura C: Imagem coronal FSE T2 com supressão de gordura. Note o artefato de susceptibilidade magnética, menor que na sequência GRE (scout), mas ainda bem evidente, e associado a falha de supressão de gordura nas áreas vizinhas.
Figura D: Imagem coronal STIR. Note o artefato de susceptibilidade magnética menos evidente, e ausência de falha de supressão de gordura nas áreas vizinhas. A sequência STIR é útil de ser utilizada quando há artefato de susceptibilidade magnética.

O artefato de susceptibilidade magnética é mais grave em:
Sequências com TE longo, pois a mais tempo para os prótons defasearem.
Sequências GRE, porque não há o pulso de refocagem de 180 graus.

Podem causar grande distorção de campo magnético, mesmo que não sejam visíveis no Rx ou TC.
Uma situação comum é a de cirurgia prévia onde pequenas partículas ferromagnéticas se desprendem do instrumental cirúrgico.
A distorção do campo magnético também reduz a eficácia da supressão de gordura.

As possíveis soluções são:

Retirar o material metálico (ex: próteses ortodônticas móveis).
Posicionar melhor o paciente (de forma que o material metálico fique com eixo o mais paralelo possivel com o eixo do campo magnético principal).
Mudar a direção de fase (direção da frequencia paralela ao material metálico reduz o artefato).
Usar voxel menor.
Usar sequências FSE.
Usar sequencias STIR para supressão de gordura.
Sequências ajustadas para material metálico (assunto a ser abordado em outro momento).

Um comentário: